Sete razões pelas quais seus colegas de trabalho não confiam em você

De acordo com um levantamento de 2011 da Civility in America, dois em cada três funcionários relatam que o seu desempenho tem vindo a diminuir devido a incivilidade no local de trabalho. Eles também citam uma “necessidade vital” para treinamento em civilidade.
A maioria dos funcionários acha que a quebra de confiança deve ser grave ou mesmo escandalosa nos seus relacionamentos com colegas de trabalho. Para essas pessoas, Dennis e Michelle Reina, especialistas líderes em promover a confiança no ambiente de trabalho dizem: “Pense de novo.” Dennis e Michelle são co-fundadores do Reina Trust Building Institute, uma consultoria de Stowe, Vermont-based, e co-autores de premiados livros de negócios sobre reconstruir a confiança no ambiente de trabalho e confiança e traição no Trabalho (Berrett-Koehler). Eles afirmam que um pouco das violações de confiança ao longo do tempo são de grande importância. Como a morte por mil cortes de papel, elas matam a produtividade, desempenho e moral da equipe.
O Reina apresenta sete razões pelas quais seus colegas de trabalho podem não confiar em você e mostram como evitar os erros mais comuns. Os destaques são:
1. Você mostra confiança nos outros
A confiança é uma rua de duas vias. Se você quer que as pessoas confiam em você, você precisa confiar nelas. Para começar, evite microgerenciamentos. Em vez disso, dê a seus colegas de trabalho a liberdade para colocar seus talentos completos para trabalhar.
2. Você não reconhece o esforço de cada um
Quando um colega de trabalho vai acima ou além de você, como você responde? Você tem um momento para reconhecer pessoalmente o seu esforço? Ou você acaba de dizendo “Obrigado” em um e-mail superficial e passa para a próxima tarefa?
3. Você perde prazos importantes
A tempo passa e você perde um prazo, aqui e ali. Não é grande coisa, certo? Errado. Toda vez que você não entrega algo no prazo, você trai a confiança de seus parceiros de trabalho, porque eles estavam dependendo de você.
4. Você chega atrasado para reuniões
Quando você sempre chega tarde, seus colegas de trabalho sentem que você está tomando o tempo dele. Eles também sentem que você sempre faz isso, porque você acha que seu tempo é mais importante do que a deles.
5. Você não admite seus erros
Ao admitir seus próprios erros, você não só reconhece a sua humanidade, mas também permite que seus colegas de trabalho para reconheçam a deles. Como resultado, a comunicação se abre, a confiança mútua é construída, e as pessoas se sentem livres para tomar riscos inteligentes e passam a ser criativas.
6. Você mostra a verdade
Faça seus colegas de trabalho saberem que podem contar com você para dizer a verdade ou eles simplesmente assumirão que você vai enganá-los. Diga como ela é. Nunca teste as situações de qualquer maneira, as pessoas vão vê-lo pelo que você é e, mais cedo ou mais tarde, perderão a confiança.
7. Você se comporta mal
Esteja ciente de seu comportamento. Em vez de repreender um colega de trabalho por perder um prazo, por exemplo, calmamente pergunte como e por que as coisas ficaram fora de controle. Entenda que a pessoa precisa de você no futuro.
Fonte: Toni Bowers

O sucesso consiste em não fazer inimigos

Nas relações humanas no trabalho, existem apenas 3 regras:
Regra número 1:
Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar.
Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe.
Exemplo: Se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1999 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2009.
Regra número 2:
A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros.
Regra número 3:
Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo,parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo. Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa. Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender.
Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo. Mas não é!
A ‘Lei da Perversidade Profissional’ diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais possa ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos.
Muito cuidado ao tentar prejudicar um colega de trabalho.
Amanhã ou depois você pode depender dele para alguma coisa!
Portanto, profissionalmente falando, e “pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos”. 
Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm “boa memória”.
“Na natureza não existem recompensas nem castigos. Existem conseqüências.”

Texto de Max Gehringer